CER RITINHA PRATES MONITORA E ORIENTA USUÁRIOS A DISTÂNCIA

A redução na presença de usuários no Centro Especializado em Reabilitação (CER) Ritinha Prates, de Araçatuba (SP), ocasionada pelo isolamento social relativo à Covid-19, levou os profissionais da entidade a buscar alternativas para manter o acolhimento a quem é atendido nas áreas física, auditiva e visual da unidade. Desde segunda-feira (23), a equipe multidisciplinar do equipamento (médicos, fisioterapeutas, psicólogos, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais) monitora e orienta os usuários à distância.

O atendimento remoto é feito por telefone e também por meio de aplicativos de mensagens de texto, áudio e vídeo, como o WhatsApp. “A maioria dos nossos usuários está no grupo de risco de contágio da Covid-19, mas entendemos que não pode ficar sem atendimento. Então, a gente entra em contato no horário agendado para o atendimento presencial, verificamos como o usuário está, e mostramos quais exercícios ele pode fazer em casa. Nestes primeiros dias está funcionando muito bem”, explica o coordenador da área de reabilitação física do CER, Marcos Adriano Mantovan.

No contato também são repassadas ao usuário e à família orientações sobre a prevenção ao novo coronavírus. Um dos usuários que já passou pelo telemonitoramento e teleorientação foi o Caio Oliveira, de 8 anos. Ele, que é diagnosticado com paralisia cerebral, deficiência visual e auditiva, com implante coclear, e faz terapia no CER desde 2017, foi atendido por vídeo. A ação foi aprovada pela mãe, Lucimara. “Foi maravilhoso ser atendido dessa forma pelos profissionais do CER. Eu estava preocupada, sem saber o que seria da terapia do meu filho nessa quarentena. Agora, eu e ele estamos muito satisfeitos”, elogia.

“Desde o início da nossa história o foco é o usuário. Temos um compromisso, uma missão a cumprir, e vamos fazer isso da melhor forma possível, sempre. Na situação atual, a primeira coisa que pensamos foi como impactar minimamente os usuários tanto do hospital neurológico quanto do CER. E, sendo assim, os nossos profissionais estão à disposição dos usuários e suas famílias para prestar todas as informações que necessitarem”, finaliza a presidente da associação, Vanilda Maria Barboza (Vanda).

A teleorientação e o telemonitoramento fazem parte do conceito de telemedicina, uma forma de atendimento em saúde em que são usadas tecnologias para colocar em contato profissionais de saúde e paciente que não estejam no mesmo local, e que é regulamentada pela Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) nº 2227/18, publicada em 06.02.19, que inclui ainda teleconsulta, telediagnóstico, teleinterconsulta, telecirurgia e teletriagem.

CER
 
Inaugurado em 2015, o CER Ritinha Prates é um ponto de atenção ambulatorial especializada em atendimento especializado em reabilitação, concessão, adaptação e manutenção de tecnologia assistiva, constituindo-se em referência para a rede de atenção à saúde no território. Todo o atendimento realizado no CER é realizado de forma articulada com os outros pontos de atenção da Rede de Atenção à Saúde, por meio de Projeto Terapêutico Singular, cuja construção envolverá a equipe, o usuário e sua família.
 
O equipamento da AAERP é direcionado ao atendimento de pessoas com deficiências auditiva, física e visual, de qualquer os sexos e idades encaminhadas pelos serviços de saúde da região de abrangência do DRS II (Departamento Regional de Saúde). O objetivo é promover o estabelecimento e cumprimento das ações voltadas à qualidade de vida desse segmento, assegurando a igualdade de oportunidades às pessoas portadoras de deficiência. A garantia deverá resultar no provimento de condições e situações capazes de conferir qualidade de vida, com a plena observância do arcabouço legal específico, como é o caso do Decreto nº 3.298/99 e a Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência.
 
Atualmente, as capacidades mínimas definidas para atendimento mensal do CER Ritinha Prates são as seguintes: 200 usuários ao mês para reabilitação física, 150 para visual e 150 para auditiva, com 34 protetizações auditivas.
  
A Entidade
 
Sem fins lucrativos, a Associação de Amparo do Excepcional Ritinha Prates existe desde 1977. Atua na área da saúde e inclusão social, por meio do Hospital Neurológico Ritinha Prates (HNRP), com a prestação de serviços especializados a pessoas com deficiências neurológicas, auditiva, física e visual. O HNRP atende atualmente 60 usuários em regime de internação hospitalar (cuidados de longa permanência). A entidade também é a mantenedora do Centro Especializado em Reabilitação III – Ritinha Prates (CER III Ritinha Prates). Entre os seus valores está o tratamento humanizado, além do respeito a conceitos éticos, morais, ambientais e filantrópicos.