RITINHA PRATES SUSPENDE VISITAS A USUÁRIOS POR CAUSA DO COVID 19

ATUALIZAÇÃO: Por causa do combate à Covid19, as visitas estão suspensas desde o dia 16/03.

A Associação de Amparo ao Excepcional Ritinha Prates, de Araçatuba (SP), suspendeu as visitas aos usuários do hospital neurológico mantido pela entidade. A medida faz parte de uma série de ações que a instituição está tomando como prevenção ao Covid 19, o novo corona vírus que fez a OMS (Organização Mundial de Saúde) declarar pandemia.

Em reunião realizada hoje (16), a CCIH (Comissão de Controle de Infecção Hospitalar) e o NSP (Núcleo de Segurança do Paciente) da associação decidiram interromper a partir de hoje todas as visitas externas aos pacientes, incluindo de familiares e de grupos que prestam serviços voluntários, como os Doutores da Alegria – Amor ao próximo e o Cão Cidadão.

Além disso, ficou determinado que a administração e as áreas de apoio que não têm contato direto com o usuário não deverão fazê-lo com menos de dois metros de distância, e caso necessitem fazer isso, deverão utilizar máscara cirúrgica descartável, se assintomático, e em casos sintomáticos não entrar em contato de forma alguma; o colaborador sintomático deverá utilizar máscara cirúrgica descartável e procurar a área de Medicina do Trabalho; no caso de usuários contaminados, os profissionais cuidadores deverão fazer uso de máscaras descartáveis específicas; os colaboradores do setor de nutrição que manipulam e preparam os alimentos deverão utilizar com luvas descartáveis e máscara cirúrgica descartável; todos os colaboradores (enfermagem, equipe técnica, limpeza e lavanderia) que estiverem em contato com o usuário em um raio menor que dois metros deverão estar de máscara.

Também estão suspensos os passeios, expediente escolar e terapias externas de usuários; alguns espaços serão delimitados somente para a área assistencial, que estarão delimitados por faixas amarelas e pretas, sem que demais funcionários não deverão circular por este local; fica proibida a circulação com os usuários fora das áreas assistenciais; colaboradores que não registram a digital não deverão circular nem nas áreas delimitadas, sendo que estes deverão entrar pelo CER (Centro Especializado em Reabilitação) ou pela recepção principal da associação.

“Nos corredores da entidade, já há alguns dias os colaboradores procuram manter distância de um a dois metros entre si e não se tocar diretamente”, comenta a enfermeira Liliane Pacce, que faz parte da CCIH e do NSP. “Temos que nos precaver ao máximo, pelo bem de todos, principalmente dos nossos usuários, que são pessoas com deficiências, e que necessitam de toda a nossa atenção e cuidado”, finaliza.

A Ritinha Prates

Sem fins lucrativos, a Associação de Amparo do Excepcional Ritinha Prates existe desde 1977, e trabalha na área da saúde e inclusão social, por meio do Hospital Neurológico Ritinha Prates, com a prestação de serviços especializados a pessoas com deficiências neurológicas profundas e irreversíveis. Atualmente, atende 60 usuários internos. A entidade também é a mantenedora do Centro Especializado em Reabilitação III – Ritinha Prates (CER III Ritinha Prates), que presta cerca de 500 atendimentos por mês.

Entre os valores da associação, que atende exclusivamente por meio do SUS (Sistema Único de Saúde), usuários de 40 municípios vinculados ao DRS-2 (Departamento Regional de Saúde), está o tratamento humanizado, além do respeito a conceitos éticos, morais, ambientais e filantrópicos.