Simulado de incêndio é realizado no Hospital Ritinha Prates

Treinamento serviu para capacitar a brigada de incêndio da entidade

Um princípio de incêndio simulado foi realizado na manhã de hoje (17), no Hospital Neurológico Ritinha Prates, em Araçatuba. No treinamento, as chamas hipotéticas tiveram início em um computador, após um curto-circuito e, rapidamente, se alastraram por outros cômodos próximos, atingindo, inclusive, um dos quartos do hospital.

Participaram os integrantes da equipe da brigada de incêndio do hospital Ritinha Prates. As atividades foram coordenadas pela técnica em Segurança do Trabalho do Hospital, Patrízia Torres. A existência da brigada de incêndio atende a Instrução Técnica de número 17 de 2014, que dá as diretrizes para a formação, condução e procedimentos necessários para os membros da brigada.

Na primeira parte do treinamento, os integrantes da brigada de incêndio participaram de uma palestra, onde cada um recebeu orientação sobre a forma de agir no caso de um incidente dentro da instituição.

Na segunda metade do treinamento, eles tiveram a oportunidade de colocar em prática os ensinamentos. “O treinamento serviu para capacitar novos membros e reciclar outros em diversas áreas como manuseio de extintores, tipos de extintores, classes de incêndio, manuseio e utilização de mangueiras de incêndio, conhecimentos técnicos mínimos para atuar se necessário entre outros”, explicou Patrízia.

A atividade também foi acompanhada pela administradora do hospital Ritinha Prates, Daniele Grizolli. Para ela, esse tipo de treinamento tem um significado importante não só para capacitar os brigadistas, mas todos os colaboradores. “Isso porque o hospital atende a pacientes que dependem, e muito, de todos os colaboradores no caso de um incêndio, por exemplo”, completou Daniele Grizolli.

CENÁRIOS

Para se aproximar ao máximo de um incêndio, foram montados no estacionamento do hospital pequenos cenários, representando o ambiente de trabalho do hospital. Divididos em grupos, eles tiveram que controlar e apagar as chamas, utilizando o equipamento correto.

Num outro momento, em um quarto do hospital, eles precisaram resgatar dois pacientes. Porém, para dificultar, o local estava escuro e com muita fumaça (gelo seco). Além da técnica em segurança do trabalho do Ritinha Prates, o treinamento contou também com a participação de dos bombeiros-civis Jhonnatha Lucas Gonzaga Ferreira e Sidney Galvão, que foram de forma voluntária.